Desengajamento moral, feminicídio e violência contra a mulher: Uma revisão de escopo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59633/2316-8765.2024.348

Palavras-chave:

desengajamento moral, feminicídio, revisão de escopo, violência contra a mulher, tribunal do júri

Resumo

A violência contra a mulher (VCM) e o seu desfecho letal, o feminicídio, são questões que exigem a atenção dos mais diversos setores públicos e privados. O presente estudo realiza uma revisão de escopo a fim de mapear sistematicamente as publicações científicas existentes sobre desengajamento moral (DM) dentro dos fenômenos da VCM e do feminicídio. Baseado no protocolo PRISMA-ScR, bases de dados online foram utilizadas para identificar publicações, das quais foram selecionadas 23 que utilizaram a perspectiva do DM para avaliar fenômenos relacionados à VCM. Foram discutidas as categorias: tipo de publicação, ano de publicação, idioma, país da pesquisa, objetivo, tipo de pesquisa, amostra, fenômeno de interesse, método predominante, apresentação dos MDM, análise de dados, achados, avaliação crítica simplificada e recomendações. Alguns dos fenômenos de interesse identificados foram violência por parceiro íntimo, violência no namoro, publicidade sexista, personalidade sombria ou traços sombrios, feminicídio, entre alguns outros. Haja vista o ineditismo e as limitações desta revisão, algumas categorias não tiveram sua discussão tão aprofundada, contudo diversas sugestões de estudos futuros e aplicações teóricos-práticas foram feitas.

Palavras-chave: revisão de escopo, desengajamento moral, feminicídio, violência contra a mulher, tribunal do júri

Biografia do Autor

  • Amanda Regis-Moura, Universidade de Brasilia (UnB)

    Psicóloga (CRP: 01/23590) e Bacharela em Psicologia pela Universidade de Brasília - UnB (2015 - 2021). Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação de Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília - PPGPSICC/UnB, sob orientação do Prof. Dr. Fabio Iglesias e coorientação da Profa. Dra. Sheila Giardini Murta, na temática de feminicídio e mecanismos de desengajamento moral (2022 - em curso). Especialista em Psicodrama Socioeducacional e Terapêutico na Associação Brasiliense de Psicodrama - ABP (2022). Tem interesse nas áreas de infância, adolescência, violências e psicologia jurídica.

  • Sheila Giardini Murta, Universidade de Brasilia (UnB)

    Psicóloga (Pontifícia Universidade Católica de Goiás-1995), especialista em Análise Política e Políticas Públicas (2013, Universidade de Brasília-UnB), mestre em Psicologia do Desenvolvimento Humano (1998, UnB) e doutora em Psicologia (2005, UnB). Realizou estágio de doutoramento ("doutorado sanduíche") na Queensland University of Technology, em Brisbane, Austrália (2004). Pós-Doutora pela Universidade Federal de São Carlos (2010), Universidade de Maastricht - Holanda (2014) e Oxford Brookes University - Reino Unido (2019). Visiting fellow no Ethox Center, University of Oxford, Reino Unido (2022). É professora associada no Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia e orientadora no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília. Coordenadora do Grupo de Estudos em Prevenção e Promoção de Saúde no Ciclo de Vida (GEPPSVida - www.geppsvida.com.br). Presidente da Associação Brasileira de Pesquisa em Prevenção e Promoção da Saúde-BRAPEP - www.brapep.org.br (2019-2020; 2021-2022). Investiga o desenvolvimento, a avaliação, a difusão e a adaptação cultural de programas de promoção de saúde mental e prevenção a riscos para transtornos mentais para pessoas em diferentes estágios e transições do ciclo de vida.

  • Fabio Iglesias, Universidade de Brasilia (UnB)

    Sou Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura, da Universidade de Brasília. Leciono disciplinas de psicologia social, personalidade, comportamento do consumidor, psicometria, métodos de pesquisa e métodos inferenciais. Fui Chefe do Depto. de Psicologia Social e do Trabalho (2016-2017, membro do Conselho Nacional de Segurança Pública, Ministério da Justiça (2015-2017) e Editor Associado da revista Psicologia: Teoria e Pesquisa (Qualis A1). Também fui Professor Visitante de Consumer Behavior na Università di Bologna (Italia) e na Universidade de Coimbra (Portugal), Investigador Visitante na Universidad de Zaragoza (Espanha) e Visiting Scholar na University of Victoria (Canada). Como Coordenador do Grupo Influência de Ciências Comportamentais (www.influencia.unb.br), desenvolvo temas de psicologia social aplicada à mudança de comportamento, incluindo comportamento do consumidor, segurança pública, comportamento pró-ambiental e trânsito, além de ensinar e pesquisar temas de metodologia, psicometria e estatística. Orientei 15 dissertações de mestrado e 6 teses de doutorado, entre várias outras orientações em andamento. Sou um entusiasta da divulgação científica da psicologia e recebi por cinco vezes o Prêmio de Pesquisador Parceiro da Imprensa. Em junho/2023 fui requisitado pelo Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, onde componho a Coordenação-Geral de Inovação e Ciências Comportamentais (CINCO)

  • Pedro Araujo Vazquez, Casa de Ismael

    Psicólogo pela Universidade de Brasília. Psicólogo Técnico do Serviço de Acolhimento da Casa de Ismael.

Referências

Alandete, S. B., & Plaza, A. R. (2021). Presencia de hijos, estado civil, tendencia a la infidelidad y variables sociodemográficas en la disposición a la legitimación de la violencia hacia la pareja [Dissertação de Mestrado, Universidad de la Costa]. https://repositorio.cuc.edu.co/handle/11323/9105

Azzi, R. G. (2011). Desengajamento moral na perspectiva da Teoria Social Cognitiva. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(2), 208–219. https://doi.org/10.1590/S1414-98932011000200002

Bandura, A., Azzi, R. G., & Tognetta, L. R. P. (2015). Desengajamento moral: Teoria e pesquisa a partir da Teoria Social Cognitiva. Mercado de Letras

Bandura, A., & Azzi, R. G. (2017). Teoria Social Cognitiva: Diversos enfoques. Mercado de Letras

Bandura, A., Barbaranelli, C., Caprara, G. V., & Pastorelli, C. (1996). Mechanisms of moral disengagement in the exercise of moral agency. Journal of Personality and Social Psychology, 71(2), 364–374. https://doi.org/10.1037/0022-3514.71.2.364

Bernstein, S., Warburton, W. A., Bussey, K., & Sweller, N. (2022). Beyond the screen: Violence and aggression towards women within an excepted online space. Sexes, 3(1), 78–96. https://doi.org/10.3390/sexes3010007

Bonfá-Araujo, B., Ferreira, L. B., Jesuíno, A. D. S. A., Hauck-Filho, N., Iglesias, F. (2023). Measuring the dark core: A Brazilian adaptation and comparison between the general population and incarcerated men. Journal of Criminal Justice, 89, 102133. https://doi.org/10.1016/j.jcrimjus.2023.102133.

Condori, E. L. C. (2022). Desconexión moral y violencia en el noviazgo en jóvenes con alta empatía de Lima Centro [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidad César Vallejo]. https://hdl.handle.net/20.500.12692/94830

Cueva, M. F. C., & Reyes, G. A. P. (2022). Desconexión moral y violencia de pareja en universitarios de Lima Norte [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidad César Vallejo]. https://hdl.handle.net/20.500.12692/116638

D’Urso, G., Petruccelli, I., Grilli, S., & Pace, U. (2019). Risk factors related to cognitive distortions toward women and moral disengagement: A study on sex offenders. Sexuality & Culture, 23, 544–557. https://doi.org/10.1007/s12119-018-9572-9

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais. (2023). Guia SESI/FIEMG: enfrentamento à violência contra as mulheres e meninas: guia prático para empresas. SESI DR/MG. https://www.fiemg.com.br/wp-content/uploads/media/SESI/2023/AGENDA2030/0107-01_GRSE_Guia-Viol-ncia_Ebook-Vs02.pdf

Fernandes, L. A. L. (2022). Grupos reflexivos: Debatendo alternativas para o enfrentamento à violência contra a mulher [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará]. https://www.ppgsp.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/teses_e_dissertacoes/dissertacoes/2020/202014%20-%20LEANDRO%20FERNANDES.pdf.pdf

Ferreiros, L., & Clemente, M. (2022). Dark personality and intimate partner relationships in young adults. Acta psychologica, 225, 103549. https://doi.org/10.1016/j.actpsy.2022.103549

Ferreiros, L., & Clemente, M. (2023). Detection of intimate partner aggression through dark personality and moral disengagement. Cadernos De Saúde Pública, 39(9), e00073523. https://doi.org/10.1590/0102-311XEN073523

Finkelhor, D., Ormrod, R., Turner, H., & Hamby, S. L. (2005). The victimization of children and youth: A comprehensive national survey. Child Maltreatment, 10(1), 5–25. https://doi.org/10.1177/1077559504271287

Fórum Brasileiro De Segurança Pública. (2023). 17º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2023/07/anuario-2023.pdf

Gajda, A., Moroń, M., Królik, M., Maluch, M., & Mraczek, M. (2023). The Dark Tetrad, cybervictimization, and cyberbullying: The role of moral disengagement. Current Psychology, 42, 23413–23421. https://doi.org/10.1007/s12144-022-03456-6

Huertas, M. A. S., Herrera, A. L. R., & Villamil, J. S. N. (2016). Moralidad y violencia: Creencias legitimadoras de los actos de violencia contra las mujeres. Voto Incluyente, 4, 59–80.

Iglesias, F. (2008). Desengajamento moral. In A. Bandura, R. G. Azzi, & S. Polydoro (Orgs.), Teoria social cognitiva: conceitos básicos (pp. 165–176). Artmed.

Latané, B., & Darley, J. M. (1970). The unresponsive bystander: Why doesn't he help? Appleton-Century-Crofts.

Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. (2006, 7 de agosto). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Lei nº 11.689, de 9 de junho de 2008. (2008, 9 de junho). Altera dispositivos do Decreto-Lei no 3.689, de 3 de outubro de 1941 – Código de Processo Penal, relativos ao Tribunal do Júri, e dá outras providências. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11689.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%2011.689%2C%20DE%209,J%C3%BAri%2C%20e%20d%C3%A1%20outras%20provid%C3%AAncias.

Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. (2015, 9 de março). Altera o art. 121 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13104.htm

Lei nº 13.718, de 24 de setembro de 2018. (2018, 24 de setembro). Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para tipificar os crimes de importunação sexual e de divulgação de cena de estupro. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13718.htm

Lei nº 14.132, de 31 de março de 2021. (2021, 31 de março). Acrescenta o art. 147-A ao Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para prever o crime de perseguição. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/lei/l14132.htm

Lei nº 14.192, de 4 de agosto de 2021. (2021, 4 de agosto). Estabelece normas para prevenir, reprimir e combater a violência política contra a mulher. Presidência da República. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2021/lei/L14192.htm

Levano, Y. E. A. (2022). Mecanismos de desconexión moral y sexismo ambivalente en estudiantes de seis instituciones educativas de las UGEL 02 y 04 [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidad César Vallejo]. https://hdl.handle.net/20.500.12692/63631

Liberati, A., Altman, D. G., Tetzlaff, J., Mulrow, C., Gøtzsche, P. C., Ioannidis, J. P., Clarke, M., Devereaux, P. J., Kleijnen, J., & Moher, D. (2009). The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: explanation and elaboration. PLoS medicine, 6(7), e1000100. https://doi.org/10.1371/journal.pmed.1000100

Maftei, A., & Dănilă, O. (2023). Give me your password! What are you hiding? Associated factors of intimate partner violence through technological abuse. Current psychology, 42(11), 8781–8797. https://doi.org/10.1007/s12144-021-02197-2

Maglinte, J. A., Reyes, M. E. S., & Balajadia, H. A. (2016). “I choked her but I did not punch her”: Constructions of intimate partner violence among men in the Philippines. Psychological Studies, 61(4), 321–330. https://doi.org/10.1007/s12646-016-0376-4

Milgram, S. (1983). Obediência à autoridade: Uma visão experimental. Francisco Alves.

Moore, C., Detert, J. R., Treviño, L. K., Baker, V. L., & Mayer, D. M. (2012). Why employees do bad things: Moral disengagement and unethical organizational behavior. Personnel Psychology, 65(1), 1–48. https://doi.org/10.1111/j.1744-6570.2011.01237.x

Moshagen, M., Hilbig, B. E., & Zettler, I. (2018). The dark core of personality. Psychological Review, 125(5), 656–688. https://doi.org/10.1037/rev0000111

Navas, M. P., Maneiro, L., Cutrín, O., Gómez-Fraguela, J. A., & Sobral, J. (2022). Sexism, moral disengagement, and dark triad traits on perpetrators of sexual violence against women and community men. Sexual Abuse, 34(7), 857–884. https://doi.org/10.1177/10790632211051689

Neto, I. L., Iglesias, F., & Günther, H. (2012). Uma medida de justificativas de motoristas para infrações de trânsito. Psico, 43(1). https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/11088

Paciello, M., D’Errico, F., Saleri, G., & Lamponi, E. (2021). Online sexist meme and its effects on moral and emotional processes in social media. Computers in Human Behavior, 116, 106655. https://doi.org/10.1016/j.chb.2020.106655

Pérez-Nebra, A. R., Silva, A. J. G. P., Couto, C., Costa, M. T. P., Homonnai, C. T., & Modesto, J. G. (2023). Advertising and psychology: Strategies to reduce violence against women. Paidéia, 33, e3306. https://doi.org/10.1590/1982-4327e3306

Pina, A., Bell, A., Griffin, K., & Vasquez, E. (2021). Image based sexual abuse proclivity and victim blaming: The role of dark personality traits and moral disengagement. Oñati Socio-Legal Series, 11(5), 1179–1197. https://doi.org/10.35295/osls.iisl/0000-0000-0000-1213

Ramos, H. W., Santos, Q. M., & França, J. M. (2022). Desengajamento moral na violência contra a mulher amazônida da região norte do Brasil. Diálogos: Economia e Sociedade, 6(2), 1–24. https://periodicos.saolucas.edu.br/index.php/dialogos/article/view/1977

Regis-Moura, A., Ferreira, L. B., Bonfá-Araujo, B., & Iglesias, F. (2022). "If not mine, she won't belong to another": Mechanisms of moral disengagement in a femicide perpetrator from Brazil. Violence Against Women, 28(12-13), 3135–3153. https://doi.org/10.1177/10778012211038969

Rollero, C., & De Piccoli, N. (2020). Myths about intimate partner violence and moral disengagement: An analysis of sociocultural dimensions sustaining violence against women. International Journal of Environmental Research and Public Health, 17(21), 8139. https://doi.org/10.3390/ijerph17218139https://doi.org/10.3390/ijerph17218139

Rosebraugh, E. (2023). Moral disengagement, empathy, and bidirectional intimate partner violence in young adulthood: A short-term longitudinal study [Tese de Doutorado, Wichita State University]. https://soar.wichita.edu/handle/10057/25705

Rubio, F., Amor, P., & Carrasco, M. (2017). Dimensionality and Psychometric Properties of the Spanish version of the Mechanisms of Moral Disengagement Scale (MMDS-S). Revista de Psicopatología y Psicología Clínica, 22(1), 43–54. https://doi.org/10.5944/rppc.vol.22.num.1.2017.16014

Rubio-Garay, F., Amor, P. J., & Carrasco, M. A. (2019). The contribution of moral disengagement to dating violence and general aggression: The gender and age moderating effects. The Spanish Journal of Psychology, 22, e59, 1–10. https://doi.org/10.1017/sjp.2019.57

Schaefer, U., Bouwmeester, O. (2021). Reconceptualizing Moral Disengagement as a process: transcending overly liberal and overly conservative practice in the field. Journal of Business Ethics, 172, 525–543. https://doi.org/10.1007/s10551-020-04520-6

Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal. (n.d.). ESPAÇO ACOLHER (antigos NAFAVDs). Governo do Distrito Federal. https://www.mulher.df.gov.br/nafavds/

Secretaria de Estado da Mulher do Distrito Federal. (2021, 10 novembro). Núcleos de Atendimento às Famílias e aos Autores de Violência Doméstica – NAFAVD. Governo do Distrito Federal. https://www.mulher.df.gov.br/nucleos-de-atendimento-as-familias-e-aos-autores-de-violencia-domestica-nafavd/

Seminario, S. L. J. (2023). Acoso sexual callejero, desconexión moral, afectos positivos y negativos en estudiantes mujeres de una universidad privada. Revista De Climatología, 23, 1009–1014. https://doi.org/10.59427/rcli/2023/v23cs.1009-1014

Thornberg, R. (2023) Longitudinal link between moral disengagement and bullying among children and adolescents: A systematic review. European Journal of Developmental Psychology, 20(6), 1099–1129. https://doi.org/10.1080/17405629.2023.2191945

Tricco, A. C., Lillie, E., Zarin, W., O'Brien, K. K., Colquhoun, H., Levac, D., Moher, D., Peters, M. D. J., Horsley, T., Weeks, L., Hempel, S., Akl, E. A., Chang, C., McGowan, J., Stewart, L., Hartling, L., Aldcroft, A., Wilson, M. G., Garritty, C., Lewin, S., & Straus, S. E. (2018). PRISMA Extension for Scoping Reviews (PRISMA-ScR): Checklist and explanation. Annals of Internal Medicine, 169(7), 467–473. https://doi.org/10.7326/M18-0850

Vance, K., Sutter, M., Perrin, P. B., & Heesacker, M. (2015). The media’s sexual objectification of women, rape myth acceptance, and interpersonal violence. Journal of Aggression, Maltreatment & Trauma, 24(5), 569–587. https://doi.org/10.1080/10926771.2015.1029179

Zimbardo, P. G. (1969). The human choice: Individuation, reason, and order versus deindividuation, impulse, and chaos. Nebraska Symposium on Motivation, 17, 237–307.

Downloads

Publicado

19.03.2024

Edição

Seção

Dossiê I/2024 - Psicologia Policial e da Segurança pública

Categorias

Como Citar

REGIS MOURA, Amanda; GIARDINI MURTA, Sheila; IGLESIAS, Fabio; ARAUJO VAZQUEZ, Pedro. Desengajamento moral, feminicídio e violência contra a mulher: Uma revisão de escopo. Revista Ciência & Polícia, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 48–78, 2024. DOI: 10.59633/2316-8765.2024.348. Disponível em: https://revista.iscp.edu.br/index.php/rcp/article/view/348.. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 88

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.