Rostos marcados pela violência armada: O cotidiano de policiais militares do Estado do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59633/2316-8765.2012.359

Palavras-chave:

estigma, ferimento por arma de fogo, lesão facial, policiais, trauma psicológico

Resumo

Compreender a representação simbólica dos ferimentos por arma de fogo (FAF) em face, os sentimentos e sentidos atribuídos a estes ferimentos sofridos pelos policiais militares (PM) da Secretaria de Estado de Polícia Militar (SEPM) do Estado do Rio de Janeiro (RJ); e os impactos psicossociais no jeito de ser e de viver após o acidente violento. Foi realizado um estudo qualitativo e quantitativo descritivo a partir das perguntas abertas e fechadas colhidas das entrevistas realizadas com 37 PM operados na Clínica de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial (CTBMF) no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM) em decorrência de FAF, no período de junho de 2003 a dezembro de 2020. Foram identificadas mudanças na forma de ser e no jeito de viver, com destaque a uma tendência ao auto isolamento que é característico do processo de estigmatização social. Foram encontradas três diferentes ideias centrais a respeito da representação simbólica da face; majoritariamente foi atribuído um significado depreciativo da face. A insatisfação com a estética facial e o sentimento de abandono institucional estavam associados a uma atribuição depressiva da face após o acidente. Foi alta a incidência do transtorno de estresse pós-traumático (42,8%) e de policiais em sofrimento psíquico (56,7%).

Palavras-chave: ferimento por arma de fogo; estigma; lesão facial; policiais; trauma psicológico

Biografia do Autor

  • Adriane Maia, Secretaria Estadual de Policia Militar

    Graduação em Odontologia, Doutora e Mestre em Sociedade Violência e Saúde pela ENSP/FIOCRUZ, Especialista em Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial. TEN CEL PM Dentista da SEPM/RJ, Chefe do Departamento de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do HCPM. Professora da Graduação de Odontologia na disciplina de Cirurgia Bucomaxilofacial da Universidade Veiga de Almeida

  • Simone Gonçalves de Assis, Escola Nacional de Saude Publica - FIOCRUZ

    Graduação em Medicina, Mestrado e Doutorado em Ciências, Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz. Pós-Doutorado pela Cornell University. Pesquisadora Titular do Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Carelli, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz. Pesquisadora do CNPq (PQ2) desde 1999. Coordenação do Programa Institucional de Articulação Intersetorial em Violência e Saúde da Fiocruz. Experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Violência e Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: violências, criança, adolescente, juventude, saúde mental, epigenética, avaliação.
    Pesquisadora Titular Voluntário da Escola Nacional de Saúde Pública , Brasil

  • Maria Cecília de Souza Minayo, Escola Nacional de Saude Publica - FIOCRUZ

    Graduação em Ciências Sociais, Doutorado em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz, Brasil

    Tem experiência na área de Saúde Pública, com ênfase em Saúde Coletiva, atuando como professora, pesquisadora e orientadora principalmente nos seguintes temas: metodologia de pesquisa social, metodologia da pesquisa social em saúde pública, violência e saúde, causas externas, violência, violência auto infligida, saúde coletiva e saúde e sociedade. Já orientou 89 teses e dissertações, publicou 273 artigos científicos, 226 capítulos de livros e 41 livros sendo 7 individualmente e 35 como organizadora e em colaboração. É membro do conselho editorial de 14 revistas científicas, sendo 4 estrangeiras e desde 2013 é Editora Regional da Revista Environmental Health Perspectives. É bolsista 1A de produtividade do CNPq e pesquisadora emérita da FAPERJ. e da FIOCRUZ
    Pesquisadora titular da Fundação Oswaldo Cruz , Brasil

Referências

Bowleg, L. (2008). When Black+ lesbian+ woman≠ Black lesbian woman: The methodological challenges of qualitative and quantitative intersectionality research. Sex roles, 59(5), 312-325.

Brito, H. P. P. (2020). Sofrimento psíquico em policiais militares: um estudo de revisão (master dissertation).

Câmara Filho, J. W. S., & Sougey, E. B. (2004). Transtorno de Estresse Pós-Traumático: Características Clínicas e Sociodemográficas de Pacientes Atendidos no Ambulatório de Psiquiatria da Polícia Militar de Pernambuco. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 58-66.

Castro, M. C., Rocha, R., & Cruz, R. (2019). Saúde Mental do Policial Brasileiro: tendências teórico-metodológicas. Psicologia, Saúde & Doenças, Lisboa, 20(02), 525-541.

Costa, E. F., Nogueira, T. E., de Souza Lima, N. C., Mendonça, E. F., & Leles, C. R. (2014). A qualitative study of the dimensions of patients’ perceptions of facial disfigurement after head and neck cancer surgery. Special Care in Dentistry, 34(3), 114-121.https://doi.org/10.1111/scd.12039

Crandall, C. S., & Coleman, R. (1992). AIDS-related stigmatization and the disruption of social relationships. Journal of Social and Personal Relationships, 9(2), 163-177. https://doi.org/10.1177/0265407592092001

Creswell, J. W., & Clark, V. P. (2011). Designing and conducting mixed methods research. UK: Sage, 2011. Badin, Lawrwnce. Content Analysis. Portuguese translation: Luís Antero Reto, Augusto Pineiro. Edições.

Daftary, A. (2012). HIV and tuberculosis: the construction and management of double stigma. Social science & medicine, 74(10), 1512-1519.https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2012.01.027

de Jesus Mari, J., & Williams, P. (1986). A validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of Sao Paulo. The British Journal of Psychiatry, 148(1), 23-26.http://doi.org/10.1192/bjp.148.1.23

de Siqueira, R., & Cardoso, H. (2011). O conceito de estigma como processo social: uma aproximação teórica a partir da literatura norte-americana. Imagonautas: revista Interdisciplinaria sobre imaginarios sociales, 1(2), 92-113.

Dias Campos, F., Chambel, M. J., Lopes, S., & Dias, P. C. (2021). Post-traumatic stress disorder in the military police of Rio de Janeiro: can a risk profile be identified?.International journal of environmental research and public health, 18(5), 2594.https://doi.org/10.3390/ijerph18052594

Dobel, C., Miltner, W. H. R., Witte, O. W., Volk, G. F., & Guntinas-Lichius, O. (2013). Emotionale auswirkungen einer fazialisparese. Laryngo-Rhino-Otologie, 92(01), 9-23.http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23065673

ELIAS, N. (1994). A Sociedade dos Indivıduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Fife, B. L., & Wright, E. R. (2000). The dimensionality of stigma: A comparison of its impact on the self of persons with HIV/AIDS and cancer. Journal of health and social behavior, 50-67.

Fletcher, F., Ingram, L. A., Kerr, J., Buchberg, M., Bogdan-Lovis, L., & Philpott-Jones, S. (2016). “She Told Them, Oh That Bitch Got AIDS”: experiences of multilevel HIV/AIDS-related stigma among African American women living with HIV/AIDS in the South. AIDS patient care and STDs, 30(7), 349-356. https://doi.org/10.1089/apc.2016.0026

Foa, E. B., & Capaldi, S. (2013). Manual for the administration and scoring of the PTSD symptom scale–interview for DSM-5 (PSS-I-5). Unpublished manual.

Fu L, Bundy C, Sadiq SA. Psychological distress in people with disfigurement from facial palsy. Eye. 2011;25(10):1322-6. 10. Fu, L., Bundy, C., & Sadiq, S. A. (2011). Psychological distress in people with disfigurement from facial palsy. Eye, 25(10), 1322-1326.

Goffman, E. (1988). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade. Tradução: Mathias Lambert, 4.

Guedes, E. G., da Costa Ribas, M., & Abramides, D. V. M. (2020). Narrativas sobre a vida e o início do tratamento de uma paciente com Síndrome de Treacher Collins: um estudo de caso. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 9(1), 46-59.https://doi.org/10.17267/2317-3394rpds.v9i1.2762

Harding, T. W., De Arango, V., Baltazar, J., Climent, C. E., Ibrahim, H. H. A., Ladrido-Ignacio, L., & Wig, N. N. (1980). Mental disorders in primary health care: a study of their frequency and diagnosis in four developing countries. Psychological medicine, 10(2), 231-241. https://doi.org/10.1017/S0033291700043993

Heffren, C. D., & Hausdorf, P. A. (2016). Post-traumatic effects in policing: Perceptions, stigmas and help seeking behaviours. Police Practice and Research, 17(5), 420-433. https://doi.org/10.1080/15614263.2014.958488

Herek, G. M. (2007). Confronting sexual stigma and prejudice: Theory and practice. Journal of social issues, 63(4), 905.

Katz, I. (1981). Stigma: A social-psychological perspective. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 2(3), 4.

LE BRETON, D. (2007). A sociologia do corpo. Tradução de Sônia Fuhrman. Petrópoles: Vozes.

Lee, L. W., Chen, S. H., Yu, C. C., Lo, L. J., Lee, S. R., & Chen, Y. R. (2007). Stigma, body image, and quality of life in women seeking orthognathic surgery. Plastic and reconstructive surgery, 120(1), 225-231. https://doi: 10.1097/01.prs.0000264100.57630.c7

Link, B. G., Struening, E. L., Rahav, M., Phelan, J. C., & Nuttbrock, L. (1997). On stigma and its consequences: evidence from a longitudinal study of men with dual diagnoses of mental illness and substance abuse. Journal of health and social behavior, 177-190. https://doi.org/10.2307/2955424

Maia, A. B. P., Assis, S. G., & Ribeiro, F. M. L. (2019). Ferimentos por arma de fogo em profissionais de segurança pública e militares das forças armadas: revisão integrativa. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 44.https://doi.org/10.1590/2317-6369000031217

Maia, A. B. P., Assis, S. G., Ribeiro, F. M. L., & Pinto, L. W. (2021a). The marks of gunshot wounds to the face. Brazilian journal of otorhinolaryngology, 87(2), 145-151. https://doi.org/10.1016/j.bjorl.2019.07.008

Maia, A. B. P., Assis, S. G., Ribeiro, F. M. L., & Wernersbach, L. (2021b). Ferimentos não fatais por arma de fogo entre policiais militares do Rio de Janeiro: a saúde como campo de emergência contra a naturalização da violência. Ciência & Saúde Coletiva, 26, 1911-1922. https://doi.org/10.1590/1413-81232021265.19412019

Maia, A.B.P., Assis, S.,G., & Minayo, C. (2021c). Systematic review on firearm injuries in the face: state of the art and existing gaps. Journal of the Brazilian Oral and Maxillofacial Surgery, 7(1):15-22.

Maia, D. B., Nóbrega, A., Marques-Portella, C., Mendlowicz, M. V., Volchan, E., Coutinho, E. S., & Figueira, I. (2014). Peritraumatic tonic immobility is associated with PTSD symptom severity in Brazilian police officers: a prospective study. Brazilian Journal of Psychiatry, 37, 49-54. https://doi.org/10.1590/1516-4446-2013-1267

Mari, J. D. J., & Williams, P. (1985). A comparison of the validity of two psychiatric screening questionnaires (GHQ-12 and SRQ-20) in Brazil, using Relative Operating Characteristic (ROC) analysis. Psychological medicine, 15(3), 651-659.http://doi.org/10.1017/S0033291700031500

Mburu, G., Ram, M., Siu, G., Bitira, D., Skovdal, M., & Holland, P. (2014). Intersectionality of HIV stigma and masculinity in eastern Uganda: implications forinvolving men in HIV programmes. BMC public health, 14(1), 1-9.

Minayo, M. C. D. S. (2000). O desafio do conhecimento-pesquisa qualitativa em saúde. In O desafio do conhecimento-pesquisa qualitativa em saude (pp. 269-269).

Minayo, M. C. D. S., Assis, S. G. D., & Oliveira, R. V. C. D. (2011). The impact of professional activities on the physical and mental health of the civil and military police of Rio de Janeiro (RJ, Brazil). Ciência & Saúde Coletiva, 16(4), 2199-2209. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000400019

Minayo, M. C. D. S., Souza, E. R. D., & Constantino, P. (2008). Missão prevenir e proteger: condições de vida, trabalho e saúde dos policiais militares do Rio de Janeiro. Editora Fiocruz.

Moreira, V., & Melo, A. K. (2008). “Minha doença é invisível!”: revisitando o estigma de ser doente mental. Interação em Psicologia, 12(2). doi:http://dx.doi.org/10.5380/psi.v12i2.7289

Rio de Janeiro (Estado). Lei Estadual no 443 de 1 de julho de 1981. Dispõe sobre o estatuto dos policiais militares do Estado do Rio de Janeiro e dá outras providências.

Ronzani, T. M., & Furtado, E. F. (2010). Estigma social sobre o uso de álcool. Jornal brasileiro de psiquiatria, 59(4), 326-332.

Rumsey, N., Clarke, A., White, P., Wyn‐Williams, M., & Garlick, W. (2004). Altered body image: appearance‐related concerns of people with visible disfigurement. Journal of advanced nursing, 48(5), 443-453. https://doi.org/10.1111/j.1365-2648.2004.03227.x

Santos, K. O., Araújo, T. M., Pinho, P. D. S., & Silva, A. C. C. (2010). Avaliação de um instrumento de mensuração de morbidade psíquica: estudo de validação do Self-Reporting Questionnaire (SRQ-20). Revista Baiana de Saúde Pública, 34(3), 544-560.

Shaw, W. C. (1981). Folklore surrounding facial deformity and the origins of facial prejudice. British Journal of Plastic Surgery, 34(3), 237-246. https://doi.org/10.1016/0007-1226(81)90001-1

Silva, M. F. F., & Cunha, M. C. (2016). Considerações teóricas acerca do impacto físico, psíquico e social na paralisia facial periférica. Distúrbios da Comunicação, 28(1).

Simmel, G. (2010). Simmel: a estética e a cidade. Simmel: a estética e a cidade, 1-47.

Sousa, C. C. D., Araújo, T. M. D., Lua, I., Gomes, M. R., & Freitas, K. S. (2021). Job dissatisfaction, psychosocial aspects, personal satisfaction, and mental health of male and female health workers. Cadernos de Saúde Pública, 37. https://doi.org/10.1590/0102-311X00246320

Souza, E. R. D., Franco, L. G., Meireles, C. D. C., Ferreira, V. T., & Santos, N. C. D. (2007). Sofrimento psíquico entre policiais civis: uma análise sob a ótica de gênero. Cadernos de Saúde Pública, 23, 105-114.

Volk, G. F., Granitzka, T., Kreysa, H., Klingner, C. M., & Guntinas‐Lichius, O. (2016).Nonmotor disabilities in patients with facial palsy measured by patient‐reported outcome measures. The Laryngoscope, 126(7), 1516-1523. http://doi.wiley.com/10.1002/lary.25695 11

Downloads

Publicado

20.03.2024

Edição

Seção

Dossiê I/2024 - Psicologia Policial e da Segurança pública

Categorias

Como Citar

MAIA, Adriane; GONÇALVES DE ASSIS, Simone; MINAYO, Maria Cecília de Souza. Rostos marcados pela violência armada: O cotidiano de policiais militares do Estado do Rio de Janeiro. Revista Ciência & Polícia, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 79–102, 2024. DOI: 10.59633/2316-8765.2012.359. Disponível em: https://revista.iscp.edu.br/index.php/rcp/article/view/359.. Acesso em: 21 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 100

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.