A importância da pesquisa em bem-estar policial: Revisão bibliográfica e propositura de modelo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59633/2316-8765.2024.336

Palavras-chave:

Bem-estar, Metas de Compaixão e Autoimagem, Comprometimento Organizacional, Motivação, Segurança Pública, Polícia Militar

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo demonstrar a relevância da mensuração do fenômeno de bem-estar de policiais, em especial os militares, com foco na PMDF. Também propõe algumas variáveis antecedentes que possam ajudar em seu incremento nas mais diversas corporações de segurança pública brasileiras, demonstrando suas relevâncias com pesquisas já realizadas no âmbito da segurança pública. Por intermédio de uma metodologia qualitativa, ao logo do texto do artigo foram definidos teórica e empiricamente cada um dos constructos que compõe o modelo, com conceituação, breve histórico e pesquisas recentes relevantes que continham mais de uma variável do modelo e/ou no âmbito da segurança pública. Posteriormente foram apresentadas sugestões de instrumentos psicométricos à disposição na literatura, inclusive com os índices de ajuste encontrados em suas pesquisas seminais e um modelo base para ser utilizado, inteiro, fracionado ou desdobrado, em pesquisas futuras. Com esse delineamento entende-se que o objetivo foi atingido, somado às proposições de perspectivas futuras que possam explorar as limitações do artigo, criando e testando modelos diversos com os constructos propostos para entender melhor fenômenos psicológicos e de gestão que vão gerar benefícios para os policiais, para as corporações e, principalmente, para a sociedade.

Biografia do Autor

  • Paulo Henrique Ferreira-Alves, Instituto Superior de Ciências Policiais

    Doutorando em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações na Universidade de Brasília, mesmo
    programa onde concluiu seu mestrado (2018), possui especializações em Direito Constitucional pela
    Universidade Católica de Brasília - UCB (2018) e MBA em Gestão Empresarial com Ênfase em Estratégia pela
    Fundação Getúlio Vargas - FGV (2013). É graduado no Curso de Formação de Oficiais - Bacharel em Ciências
    Policiais pela Academia de Polícia Militar de Brasília (2005) e bacharel em Direito pelo Centro Universitário do Distrito Federal - UDF (2010). Atualmente é capitão da Polícia Militar do Distrito Federal. Tem experiência em diversas áreas da PMDF como Oficial, trabalhando na área operacional e administrativa e como instrutor de tiro, Direito Penal, Planejamento e Gestão Estratégica, Psicologia Social, Valores e Introdução às Ciências Policiais. Atualmente trabalha na área de Planejamento e Gestão Estratégica, com ênfase em Inteligência Estratégica, Ciência e Tecnologia e é vinculado ao Instituto Superior de Ciências Policiais (ISCP/PMDF), atuando como professor nos principais cursos de formação/graduação da PMDF (CFO, CHOSC, CHOAEM e CFP), bem como revisor de artigos da revista Ciência e Polícia, também do ISCP.

    http://lattes.cnpq.br/0800441290626464 ORCID: 0000-0003-4977-195X

  • Cláudio Vaz Torres, Universidade de Brasília

    Possui graduação em Psicologia pela Universidade de Brasília (1988), mestrado em Psicologia pela Universidade de Brasília (1991) e Ph.D. em Industrial Organizational Psychology - California School of Professional Psychology (1999), pós-doutorado em Marketing pela Griffith University, Austrália (2004), pós-doutorado em Cross-cultural Research pela University of Sussex, Inglaterra (2009), pós-doutorado em Cross-cultural Psychology and Human Values pela Hebrew University of Jerusalem, Israel (2013), em Basic Human Values na University of Haifa (2018) e em Police Psychology e Cross-cultural research na University of Baltimore, EUA (2022). Em todos estágios pós-doutorais, desenvolveu e validou para amostras brasileiras medidas para uso em pesquisa transcultural, notadamente o Questionário Refinado de Valores - PVQ-RR. Atualmente é revisor do JCCP - Journal of Cross-cultural Psychology; IJIR - International Journal of Intercultural Research; American Psychologist Journal; Revista Psicologia: Teoria e Prática; RAC - Revista de Administração Contemporânea; e RAM - Revista de Administração da Mackenzie. Avaliador de trabalhos da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. É filiado à Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia, na qual coordena um Grupo de Trabalho em Psicologia e Segurança Pública. Membro da International Association for Cross Cultural Psychology, da qual também é o Representante Regional para a América do Sul. Parte das atribuições desta representação inclui a aplicação, para o contexto nacional, de pesquisas transculturais a carências e problemas sociais da América do Sul. Tem experiência na área de Psicologia Transcultural, atuando principalmente nos seguintes temas: valores humanos básicos, valores culturais, psicologia política, comportamento do consumidor e diversidade cultural e inclusão. Desenvolveu intervenções em diversidade para escolas públicas nos níveis fundamental e médio.

  • Márcio Júlio da Silva Mattos, Instituto Superior de Ciências Policiais

    Doutor em Sociologia (Universidade de Brasília, 2019). Visiting Scholar (Fulbright Fellow) na University of Massachusetts Boston. É Mestre em Sociologia (UnB, 2012) e Especialista em Segurança Pública e Cidadania (Unb/2008) e Gestão de Segurança Pública (ISCP, 2016), além de Bacharel em Relações Internacionais (Unb, 2007) e Direito (Unicid, 2022). É o atual Coordenador-Geral de Governança e Gestão do Sistema Único de Segurança Pública, tendo atuado como Coordenador-Geral de Prevenção à Violência e Polícia Comunitária, na SENASP, do Ministério da Justiça (2011-2015). Pesquisador Colaborador Pleno do Centro de Pesquisa em Avaliação e Tecnologias Sociais - CEPATS, do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.Tem experiência nas áreas de Criminologia e Sociologia da Violência (com ênfase em criminologia comparada, técnicas quantitativas e modelos hierárquicos), prevenção à violência e à criminalidade (elaboração e avaliação de projetos), formação dos profissionais de segurança pública, cultura policial, participação e mobilização social em segurança pública. É associado pleno do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), da American Society of Criminology e da Eastern Society of Sociology, Consultor em Segurança Pública e Membro do Conselho Permanente de Docentes do Instituto Superior de Ciências Policiais (ISCP/DF). É avaliador do ensino superior do INEP/MEC nas áreas de Administração, CIências Sociais e Relações Internacionais. E-mail: (marcio.mattos@unb.br).

Referências

Albuquerque, A. S. & Tróccoli, B. T. (2004). Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: teoria e pesquisa, 20(2), 153-164. https://doi.org/10.1590/S0102-37722004000200008

Allen, N. J. & Meyer, J. P. (1996). Affective, continuance, and normative commitment to the organization: An examination of construct validity. Journal of vocational behavior, 49(3), 252-276. https://doi.org/10.1006/jvbe.1996.0043

Alves, P. H. F. (2018). Valores humanos, metas de compaixão e autoimagem e comprometimento organizacional na polícia militar do Distrito Federal. Dissertação de mestrado. Universidade de Brasília. http://dx.doi.org/10.26512/2018.02.D.32016

Ambrose, M. L., & Kulik, C. T. (1999). Old friends, new faces: Motivation research in the 1990s. Journal of management, 25(3), 231-292. https://doi.org/10.1177/014920639902500302

Austin, J. T. & Vancouver, J. B. (1996). Goal constructs in psychology: Structure, process, and content. Psychological bulletin, 120(3), 338-375. https://doi.org/10.1037/0033-2909.120.3.338

Bandura, A. (1986). Social foundations of thought and action: A social cognitive theory. Upper Saddle River, NJ: Prentice-Hall.

Bandura, A. (1991c). Social cognitive theory of self-regulation. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 50, 248-287. https://doi.org/10.1016/0749-5978(91)90022-L

Bandura, A. (1997). Self-efficacy: The exercise of control. New York, NY: W. H. Freeman/Times Books/ Henry Holt & Co. https://doi.org/10.1891/0889-8391.13.2.158

Bastos, A. V. (1993). Comprometimento Organizacional: um balanço dos resultados e desafios que cercam essa tradição de pesquisa. Revista de Administração de empresas, 33(3), 52-64. https://doi.org/10.1590/S0034-75901993000300005

Bastos, A. V. (1994). Comprometimento Organizacional: Seus antecedentes em distintos setores da administração e grupos ocupacionais. Temas em Psicologia, 1(1), 73-90. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1994000100007&lng=pt&tlng=pt.

Bastos, A. V. (1994). Comprometimento no trabalho: a estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. (tese de doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Bastos, A. V. (1998a). Comprometimento no Trabalho: Os caminhos da Pesquisa e os seus desafios teóricos-metodológicos. Em: Tamayo, A.; Borges-Andrade, J. E. & Codo, W. (orgs.) Trabalho, organização e cultura. Coletâneas da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Psicologia. São Paulo: Cooperativa de Autores Associados

Bastos, A. V. B. (1998b). Comprometimento no trabalho: contextos em mudança e os rumos da pesquisa neste domínio. Encontro Anual da ANPAD, 22.

Bastos, A. V. B. & Borges-Andrade, J. E. (2002). Comprometimento com o trabalho: padrões em diferentes contextos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, 42(2), 1-11. https://doi.org/10.1590/S0034-75902002000200003

Bastos A. V. B. & Aguiar C. V. N. (2015). Comprometimento Organizacional. In: Ferramentas de diagnóstico para organizações e trabalho. (Puente-Palacios, K & Peixoto, A. L. A, Orgs) (pp. 78-91). Porto Alegre: Artmed.

Bastos, A. V., Brandão, M. G. A. & Pinho, A. P. M. (1996). Comprometimento Organizacional: explorando este conceito entre servidores de instituições universitárias. EnANPAD, 20, 289-309. https://doi.org/10.1590/S1415-65551997000200006

Bastos, A. V. B., Brandão, M. G. A. & Pinho, A. P. M. (1997). Comprometimento Organizacional: uma análise do conceito expresso por servidores universitários no cotidiano de trabalho. Revista de Administração Contemporânea,1 (2), p. 97-120. https://doi.org/10.1590/S1415-65551997000200006

Bastos, A. V. B., Maia, L. G., de Aguiar Rodrigues, A. C., Macambira, M. O. & Borges-Andrade, J. E. (2014). Vínculos dos indivíduos com a organização: análise da produção científica brasileira 2000-2010. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30(2), 153-162. https://doi.org/10.1590/S0102-37722014000200004

Baumeister. (2010). The Self. In Baumeister R. F. and Finkel E. J. Advanced Social Psychology – The State of the Science. (pp. 139-176). New York: Oxford University Press.

Baumeister, R. F. & Finkel, E. J. (2010). Advanced Social Psychology – The State of the Science. New York, Oxford University Press.

Baumeister, R. F. & Leary, M. R. (1995). The need to belong: desire for interpersonal attachments as a fundamental human motivation. Psychological bulletin, 117(3), 497. https://doi.org/10.1037/0033-2909.117.3.497

Bergamini, C. W. (1990). Motivação: mitos, crenças e mal-entendidos. Revista De Administração de Empresas, 30(2), 23-34. https://doi.org/10.1590/S0034-75901990000200003

Borges-Andrade, J. E., Afanasieff, R. S. & Silva, M. S. (1989). Mensuração de comprometimento organizacional em instituições públicas. XIX Reunião Anual de Psicologia. Resumos, 236.

Borges-Andrade, J. E. (1994a). Conceituação e Mensuração do Comprometimento Organizacional. Temas em Psicologia, 2 (1), 34-47. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1994000100004&lng=pt&tlng=pt.

Borges-Andrade, J. E. (1994b). Comprometimento Organizacional na administração pública e em seus segmentos meio e fim. Temas em Psicologia, 2(1), 49-61. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1994000100005&lng=pt&tlng=pt.

Borges-Andrade, J. E. & Pilati, R. (2001). Comprometimento atitudinal e comportamental: relações com suporte e imagem nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, 5(3), 85-106. https://doi.org/10.1590/S1415-65552001000300005

Borges, L. D. O. & Alves Filho, A. (2003). A estrutura fatorial do Inventário do Significado e Motivação do Trabalho, IMST. Avaliação Psicológica, 2(2), 123-145. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712003000200004&lng=pt&tlng=pt.

Borges, L. D. O., Alves-Filho, A., & Tamayo, A. (2008). Motivação e significado do trabalho. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão, 1, 217-240.

Brasil, 1942. Decreto-lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Acesso em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm

Brasil, 1984. Lei no 7.289, de 18 de dezembro de 1984. Dispõe sobre o Estatuto dos Policiais-Militares da Polícia Militar do Distrito Federal e dá outras providências. Acesso em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7289.htm

Canevello, A. & Crocker, J. (2011). Changing relationship growth belief: Intrapersonal and interpersonal consequences of compassionate goals. Personal Relationships, 18, 370-391. NIMHS ID 163640. https://doi.org/10.1111/j.1475-6811.2010.01296.x

Canevello, A. & Crocker, J. (2015). How interpersonal goals shape intrapsychic experiences: Self-image and compassionate goals and feeling uneasy or at ease with others. Social and Personality Psychology Compass, 9, 620-629. https://doi.org/10.1111/spc3.12206

Canevello, A. & Crocker, J. (2017). Compassionate goals and affect in social situations. Motivation and Emotion, 41, 158-179. https://doi.org/10.1007/s11031-016-9599-x

Cervo, C. S. (2007). Características de personalidade e o comprometimento organizacional afetivo. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS. http://hdl.handle.net/10183/14291

Chambel, M. J., Castanheira, F., Oliveira-Cruz, F. & Lopes, S. (2015). Work Context Support and Portuguese Soldiers’ Well-Being: The Mediating Role of Autonomous Motivation. Military Psychology, 27(5), 297–310. https://doi.org/10.1037/mil0000087

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (2020). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.Acesso:nov 2020

Crocker, J. (2011). Presidential Address: Self-image and compassionate goals and construction of the social self: Implications for social and personality psychology. Personality and Social Psychology Review, 15, 394-407. https://doi.org/10.1177/108886831141874

Crocker J. & Canevello A. (2008). Creating and undermining a social support in communal relationships: The role of compassionate and self-image goals. Journal of Personality and Social Psychology (95), 3. 555–575. https:// https://doi.org/10.1037/0022-3514.95.3.555

Crocker, J. & Canevello, A. (2012). Consequences of self-image and compassionate goals. In P. G. Devine & A. Plant (Eds.), Advances in Experimental Social Psychology, 45, 229-277. New York: Elsevier. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-394286-9.00005-6

Crocker, J. & Canevello, A. (2016). Positive relationships: The benefits of compassionate goals. In C. R. Knee & H. Reis (Eds.), Positive approaches to optimal relationship development. Cambridge University Press

Crocker, J., Canevello, A. & Lewis, K. A. (2017). Romantic relationships in the ecosystem: Compassionate goals, nonzero-sum beliefs, and change in relationship quality. Journal of personality and social psychology, 112, 58-75. https:// https://doi.org/10.1037/pspi0000076

Crocker, J., Olivier, M.A. & Nuer, N. (2009). Self-image goals and compassionate goals: Costs and benefits. Self and Identity, 8, 251-269. https://doi.org/10.1080/15298860802505160

Dantas, M. A., Brito, D. V. C., Rodrigues, P. B. & Maciente, T. S. (2010). Avaliação de estresse em policiais militares. Psicologia: teoria e prática, 12(3), 66-77.

Derenusson, F. C., & Jablonski, B. (2010). Sob fogo cruzado: o impacto do trabalho policial militar sobre a família do policial. Aletheia, (32). https://doi.10.29327/226091

Diener, E. (1984). Subjective well-being. Psychological Bulletin, 95. 542-575. https://doi.org/10.1007/978-90-481-2350-6_2

Diener, E. & Biswas-Diener, R. (2002). Will money increase subjective well-being? Social indicators research, 57(2), 119-169. https://doi.org/10.1023/A:1014411319119

Diener, E., Suh, E. & Oishi, S. (1997). Recent findings on subjective well-being. Indian journal of clinical psychology, 24, 25-41.

Diener, E. (2000). Subjective well-being: The science of happiness and a proposal for a national index. American psychologist, 55(1), 34. https://doi.org/10.1037/0003-066X.55.1.34

Diener, E., Suh, E. M., Lucas, R. E. & Smith, H. L. (1999). Subjective well-being: Three decades of progress. Psychological bulletin, 125(2), 276. https://doi.org/10.1037/0033-2909.125.2.276

Diener, E. (2000). Subjective well-being: The science of happiness and a proposal for a national index. American psychologist, 55(1), 34. https://doi.org/10.1037/0003-066X.55.1.34

Donovan, J. J. (2001). Work motivation. In. Anderson, D S Ones, H K Sinangil, & C. Viswesvaran (Eds.). Handbook of industrial, work, and organizational psychology, 2: 53-76.

Faiad, C., Coelho Junior, F. A., Caetano, P. F. & Albuquerque, A. S. (2012). Análise profissiográfica e mapeamento de competências nas instituições de segurança pública. Psicologia: Ciência e profissão, 32(2), 388-403. https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000200009

Faiad, C. M., Gomez, V. A., Murta, S. G., Zanini, D. S., Oliveira, S. E. S., Nascimento, T. G. N. (2022). Saúde na Segurança Pública: Indicadores e Diretrizes para Intervenção no âmbito do Programa Nacional de Qualidade de Vida para Profissionais de Segurança Pública (Pró-Vida). (Cristiane Faiad, coord) Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública, Secretaria Nacional de Segurança Pública. 284 p. ISBN: 978-65-87762-17-3

Ferreira, D. K. D. S., Bonfim, C., & Augusto, L. G. D. S. (2012). Condições de trabalho e morbidade referida de policiais militares, Recife-PE, Brasil. Saúde e Sociedade, 21, 989-1000. https://doi.org/10.1590/S0104-12902012000400016

Ferreira-Alves, P. H., Guimarães, R. C., Silva-Pinto, J. H., Torres, C. V. (2023) A Influência das Metas de Compaixão e Autoimagem no Bem-Estar: O caso alunos em cursos iniciais e sequenciais de carreira na PMDF. v. 1, n. 1, p. 19–42, 2024. DOI: https://doi.org/10.5281/zenodo.10839990

Ferreira-Alves, P. H., Torres, C. V., Andrade, L. N. & Montani, F. (2019). Escala de metas de compaixão e autoimagem: adaptação para amostras brasileiras. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 19(1), 541-548. http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2019.1.14869.

Ferreira, A. B. H (2010). Mini Aurélio: O dicionário da Língua Portuguesa. 8ª Edição. Curitiba, PR: Editora Positivo.

Ferreira, L. B. Mesmo com o sacrifício da própria vida: vivências de prazer e sofrimento no trabalho entre policiais militares do DF. 2016. ii, 148 f., il. Dissertação (Mestrado em Administração). Universidade de Brasília, Brasília, 2016. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/20833. Acesso em 12 de maio 2021.

Ferreira, L. B., Santos, M. A. F., de Paula, K. M., Mendonça, J. M. B., & Carneiro, A. F. (2017). Riscos de adoecimento no trabalho entre policiais militares de um batalhão de Brasília. Gestão E Sociedade, 11(29), 1804-1829. https://doi.org/10.21171/ges.v11i29.2150

Fishbach, A. & Ferguson, M. J. (2007). The goal construct in social psychology. In Kruglanski, A & Higgins, E. T. (orgs). Social psychology: handbook of basic principles. Guilford Press, 2007.

Forsyth, D. R. & Burnette, J. (2010). Group processes. In R. F. Baumeister & E. J. Finkel (Eds.), Advanced social psychology: The state of the science (p. 495–534). Oxford University Press

Galinha, I. & Ribeiro, J. L. (2005). História e evolução do conceito de bem-estar subjectivo. Psicologia, saúde & doenças, 6(2), 203-214. http://hdl.handle.net/10400.12/1060

Garaika, H. M. & Jatiningrum, C. (2020). The Mediating of Organizational Commitment on Work Motivation and Lecturer Performance: The Four-Dimensional Model of Organizational Commitment. Revista TURISMO: Estudos e Práticas, (4). [ISSN 2316-1493] http://natal.uern.br/periodicos/index.php/RTEP/index

Garg, P., & Rastogi, R. (2009). Effect of psychological wellbeing on organizational commitment of employees. Journal of Organizational Behavior, 8(2), 42-51.

Gonçalves, S. M. P. (2011). Bem-estar no trabalho em contexto policial: O contributo dos valores e das práticas organizacionais (Doctoral dissertation, ISCTE-Instituto Universitario de Lisboa (Portugal).

Gondim, S. M. G., & Silva, N. (2014). Motivação no trabalho. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 145-176.

Herzberg F (1959). The Motivation to Work. New York: Wiley

Howard, J., Gagné, M., Morin, A. J. & Van den Broeck, A. (2016). Motivation profiles at work: A self-determination theory approach. Journal of Vocational Behavior, 95, 74-89. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2016.07.004

Jain, P., Duggal, T., & Ansari, A. H. (2019). Examining the mediating effect of trust and psychological well-being on transformational leadership and organizational commitment. Benchmarking: An International Journal. ISSN: 1463-5771 https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/BIJ-07-2018-0191/full/html

Kanfer, R. (2012). 14 Work Motivation: Theory, Practice, and Future Directions. The Oxford Handbook of Organizational Psychology, Volume 1, 1, 455. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199928309.013.0014

Kanfer, F. H. & Karoly, P. (1972). Self-control: a behavioristic excursion into the lion’s den. Behavior Therapy, 3, 398-416. https://doi.org/10.1016/S0005-7894(72)80140-0

Kanfer, R. (1990). Motivation theory and industrial and organizational psychology. Handbook of industrial and organizational psychology, 1(2), 75-130. https://doi:0c960535896a2b32e3000000

Keyes, C. L., Shmotkin, D. & Ryff, C. D. (2002). Optimizing well-being: the empirical encounter of two traditions. Journal of personality and social psychology, 82(6), 1007. https://doi.org/10.1037/0022-3514.82.6.1007

Kirby, J. N., Grzazek, O. & Gilbert, P. (2019). The role of compassionate and self-image goals in predicting psychological controlling and facilitative parenting styles. Frontiers in psychology, 10, 1041. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2019.01041

Lee, D. S., Jiang, T., Canevello, A. & Crocker, J. (2020). Motivational underpinnings of successful support giving: Compassionate goals promote matching support provision. Personal Relationships. https://doi.org/10.1111/pere.12363

Maia, L. G., & Bastos, A. V. B. (2011). Comprometimento calculativo e retaliação: visão integrada dos conceitos em uma organização pública. Revista de Administração da UFSM, 4(3), 390-405. https://doi.org/10.5902/198346593149

Marinho, M. T., de Souza, M. B. C. A., Santos, M. M. A., da Cruz, M. A. D. A., & de Lima Barroso, B. I. (2018). Fatores geradores de estresse em policiais militares: revisão sistemática. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, 6, 637-648. https://doi.org/10.18554/refacs.v6i0.3132

Mendonça, H., Ferreira, M. C., Porto, J. & Zanini, D. S. (2012). Saúde, qualidade de vida e bem-estar: limites e interfaces teórico-metodológicas. Saúde e bem-estar no trabalho: dimensões individuais e culturais, 11-33. São Paulo: Casa do Psicólogo

Meyer, J. P., & Allen, N. J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human resource management review, 1(1), 61-89. https://doi.org/10.1016/1053-4822(91)90011-Z

Mowday, R. T., Steers, R. M. & Porter, L. W. (1979). The measurement of organizational commitment. Journal of vocational behavior, 14(2), 224-247. https://doi.org/10.1016/0001-8791(79)90072-1

Mowday, R. T., Porter L. W. & Steers R. M. (1982). Employe-Organization Linkages: The psychology os commitment, absenteeism and turnover. New York: Academic Press

Paschoal, T., &Tamayo, A. (2008). Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação psicológica, 7(1), 11-22. Recuperado em 15 de maio de 2024, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712008000100004&lng=pt&tlng=pt.

Paul, H., Bamel, U., Ashta, A., & Stokes, P. (2019). Examining an integrative model of resilience, subjective well-being and commitment as predictors of organizational citizenship behaviours. International Journal of Organizational Analysis, 27(5), 1274-1297. https://doi.org/10.1108/IJOA-08-2018-1514

Paz, M. G. T., Neiva, E. R., & Dessen, M. C. (2012). Bem-estar e felicidade nas organizações: um só fenômeno. Saúde e bem-estar no trabalho, 105-130. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pinder, C. C. (2014). Work motivation in organizational behavior. New York: psychology press.

Porter, L. W., Steers, R. M., Mowday, R. T., &Boulian, P. V. (1974). Organizational commitment, job satisfaction, and turnover among psychiatric technicians. Journal of Applied Psychology, 59(5), 603–609. https://doi.org/10.1037/h0037335

Puente-Palacios, K. E., Vieira, A. R., & Andrade, N. F. R. (2010). O impacto do clima no comprometimento afetivo em equipes de trabalho. Avaliação psicológica, 9(2). 311-322. Recuperado em 15 de maio de 2024, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712010000200015&lng=pt&tlng=pt

Queiroga, F. & Borges-Andrade, J. E. (2015). Motivação para trabalhar. In: Peixoto, AL A; Puente-Palacios, K. Ferramentas de Diagnóstico para Organizações e Trabalho. Porto Alegre: Artmed. https://doi.org/10.5902/1984686X19964

Rodrigues, A. C. A. (2009). Do comprometimento de continuação ao entrincheiramento

organizacional: o percurso de validação da escala e análise da sobreposição entre os construtos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia, Bahia.

Rowe, D. E. O., Bastos, A. V. B. & Pinho, A. P. M. (2011). Comprometimento e entrincheiramento na carreira: um estudo de suas influências no esforço instrucional do docente do ensino superior. Revista de Administração Contemporânea, 15(6), 973-992. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000600002

Ryan, R. M. & Deci, E. L. (2001). On happiness and human potentials: A review of research on hedonic and eudaimonic well-being. Annual review of psychology, 52(1), 141-166. https://doi.org/10.1146/annurev.psych.52.1.141

Sagiv, L. & Schwartz, S. H. (2000). Value priorities and subjective well‐being: Direct relations and congruity effects. European journal of social psychology, 30(2), 177-198. https://doi.org/10.1002/(SICI)1099-0992(200003/04)30:2<177::AID-EJSP982>3.0.CO;2-Z

Sales, E. R. (2021). Vitimização e sobrevivência policial: uma análise sobre mortes violentas de policiais militares do Distrito Federal. Revista Ciência & Polícia, 7(1), 35-55. https://doi.org/10.59633/2316-8765.2021.159

Santos, G. B., & Ceballos, A. G. D. C. D. (2013). Bem-estar no trabalho: estudo de revisão. Psicologia em estudo, 18(2), 247-255. Retirado em 15 de maio de https://www.scielo.br/j/pe/a/yxSpyr53Njj8Z8HxmsTp7CJ/

Silva, E. E. C. (2009). Trabalhador comprometido X obediente: explorando os limites conceituais e empíricos entre os construtos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia, Bahia

Siqueira, M. M. M., & Padovam, V. A. R. (2008). Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, 24(2), 201-209. https://doi.org/10.1590/S0102-37722008000200010

Souza, L. A. S., Torres, A. R. R., Barbosa, G. A., Lima, T. J. S. D., & Souza, L. E. C. D. (2015). Bem-estar subjetivo e Burnout em cadetes militares: o papel mediador da autoeficácia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28, 744-752. https://doi.org/10.1590/1678-7153.201528412

Torres, C. V., & Glazer, S. (2023). Police and Cross-Cultural Psychology: The Impact of Human Values on Violence. Online Readings in Psychology and Culture, 7(2). https://doi.org/10.9707/2307-0919.1187

Van Beek, I., Hu, Q., Schaufeli, W. B., Taris, T. W., & Schreurs, B. H. (2012). For fun, love, or money: What drives workaholic, engaged, and burned‐out employees at work?. Applied Psychology, 61(1), 30-55. doi:10.1111/j.1464-0597.2011.00454.x

Vroom, V. H. (1964). Work and motivation. Wiley

Wiener, Y. (1982). Commitment in organizations: A normative view. Academy of management review, 7(3), 418-428. https://doi.org/10.5465/amr.1982.4285349

Downloads

Publicado

21.06.2024

Edição

Seção

Dossiê I/2024 - Psicologia Policial e da Segurança pública

Categorias

Como Citar

FERREIRA-ALVES, Paulo Henrique; TORRES, Cláudio Vaz; MATTOS, Márcio Júlio da Silva. A importância da pesquisa em bem-estar policial: Revisão bibliográfica e propositura de modelo. Revista Ciência & Polícia, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 290–318, 2024. DOI: 10.59633/2316-8765.2024.336. Disponível em: https://revista.iscp.edu.br/index.php/rcp/article/view/336.. Acesso em: 24 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1-10 de 104

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.